Benefícios do uso do Feijão-de-Porco como Adubo Verde na Cultura de Milho

2020-02-10T22:49:07+00:00

Revisitamos hoje a questão do uso de adubação verde  na cultura do milho em sistema orgânico,  especialmente no que diz respeito à convergência de pesquisas sobre as qualidades do feijão-de-porco.

Destacamos em primeiro lugar o Comunicado Técnico 225, da Embrapa, de dezembro de 2017, que detalha resultados de plantas de cobertura na produtividade de cultura de milho na região sudeste da Amazônia. Entre 13 diferentes plantas de cobertura, no período de pesquisa de dois anos agrícolas, o feijão-de-porco teve o melhor resultado: incrementou a produtividade em 3,53 t/ha no primeiro ano e 3,81 t/ha no segundo, nada menos que 86,9% e 100,5%, respectivamente.

Essas comparações foram efetuadas em relação às práticas usuais na região de manter as áreas em pousio no período de entressafra ou a semeadura de milho sem uso de insumos. Na mesma linha de conclusões, também na classificação dos mencionados 13 materiais testados, o feijão-de-porco encontra-se em primeiro lugar tanto no que diz respeito à fitomassa disponível (verde e seca) quanto à fixação biológica de nitrogênio.

O Comunicado Técnico 225 ratifica com riqueza de detalhes pesquisa anterior da Embrapa Cerrados (2006), intitulada “Fixação biológica de nitrogênio (FBN) e quantificação do suprimento de nitrogênio por adubos verdes“, na qual o feijão-de-porco apresenta as mesmas características e qualidades.

Em segundo lugar,  registramos recente artigo sobre produtividade de milho em sucessão a plantas de cobertura publicado em novembro de 2019 na Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental.  Os resultado confirmam conclusões do  Comunicado Técnico 225: o feijão-de-porco obteve maior acúmulo de matérias verde e seca, assim como a maior concentração de N, quando comparado ao feijão-guandu anão e à crotalaria spectabilis.  O feijão-de-porco foi a melhor opção ao garantir maior crescimento e melhoria nos componentes de rendimento do milho.

Alguns dos resultados aferidos na pesquisa são resumidos abaixo,  com números comparativos entre as leguminosas testadas:

Feijão-de-Porco  Feijão-Guandu  Crotalaria spectabilis

(C.e)                 (C.c)                   (C.s)

Matéria seca (ton/ha)        6,5                   5                           4

Matéria verde(ton/ha)      28                    16                          20

N acumulado (kg/ha)       180                   100                       95

 

Grãos por espiga               565                    550                      525

Peso dos grãos                   33                       28                        27

Produtividade (ton/ha)    9,4                     8,5                      7,5

Os dois estudos convergem no sentido de que a produção em consórcio ou rotação de milho e feijão-de-porco traz benefícios duradouros tanto em produtividade quanto na fixação de nitrogênio melhorando assim a qualidade do solo.

Para acessar o referido artigo, clique em:

http://www.scielo.br/pdf/rbeaa/v23n12/1415-4366-rbeaa-23-12-0966.pdf  

Para acessar o Comunicado Técnico 225, clique em:

https://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/infoteca/bitstream/doc/1086293/1/ct225.pdf

 

Deixar Um Comentário