Comparação dos Custos de Nitrogênio (Fertilizacão Química vs Adubação Verde)

2019-10-28T21:28:54+00:00

Além dos numerosos benefícios decorrentes do uso de leguminosas em adubação verde, já listados, e das vantagens específicas do feijão-de-porco, cobertos nos 2 últimos posts, vamos nos dedicar hoje a avaliação de um dos itens mais pesados da produção de grãos. Trata-se do preço do nutriente mais demandado pela cultura do milho: o nitrogênio (N).

Apresentamos abaixo uma comparação entre o sistema convencional de nutrição química (granulados) e a adubação verde no sistema orgânico.

Fertilizantes químicos (ureia): o custo da ureia é de R$ 2000 por tonelada, sendo que esta possui 43% de nitrogênio em sua composição. Portanto o custo do quilo de nitrogênio é de R$4,65. Considerando as perdas da ordem de 50%, o custo do quilo do nitrogênio efetivamente fixado fica em R$9,30. A liberação do nitrogênio é imediata.

Adubação verde (feijão-de-porco): o custo do saco de 20 kg de sementes orgânicas de feijão-de-porco é de R$ 140. 20 kg de sementes produzem 55,33 kg de nitrogênio. O custo do nitrogênio por quilo fica portanto em R$2,62.

Considerando as perdas da ordem de 12%, o custo do nitrogênio por quilo fica em R$2,97. A liberação ocorre de forma gradual, sendo 35% no primeiro ano e o restante nos dois anos seguintes.

Portanto, custo de N originário da ureia é de 3,13 vezes superior ao do feijão-de-porco, considerando a totalidade do nitrogênio demandado pela cultura. Mesmo considerando apenas a parcela liberada no primeiro ano – ficando o restante do nutriente disponível para culturas dos anos seguintes – o N gerado pela fitomassa do feijão-de-porco ainda é mais econômico do que o da ureia ao levarmos em conta os benefícios listados nos dois últimos posts sobre adubação verde.

Uma consideração adicional e importante consiste na contribuição direta do feijão-de-porco na fertilidade do solo, que vai além do nitrogênio, com adição de fósforo, potássio, cálcio e diversos micronutrientes. (FONTE: Produção de Biomassa e Teor de Nutrientes do Feijão-de-Porco, Breno P Rayol, Fabrizia O. Alvino-Rayol, in Agroecossistemas, v.4, n2, p. 85-90, 2012).

Deixar Um Comentário